sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Haicai em 3 tempos




Bem a tardinha,
sentado a beira do lago
os peixes fisgam.



Vara encurva,
puxa zunindo a linha
nado rasante.
 
Puxa a vara
com toda a força e...zás,
cadê o peixe?



segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Haicai sobre flores


Buscando o sol,
girassol gira bailando
imersa na luz.

foto Leiko
.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.


Exala bela flor
perfume forte no ar.
Lírio... delírios

foto Leiko
.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.~.


Três orquídeas
Lindo buque de noiva.
Marcou prá sempre!

foto noivinhos-felizes.blogspot.com

sábado, 27 de novembro de 2010



CREPÚSCULO
Fim da estrada
Crepúsculo da vida
Hora de partir

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

FLOR
Brota uma flor,
enfeita nosso jardim.
 Sementes ficam...

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

VIDA
Nasce um bebê,
alegra nossa casa.
Cresce e parte...
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

domingo, 7 de novembro de 2010

Árvores

Quase verão,
vem o vento, a  chuva
E mangas no chão.

 o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o

Calor, sol quente.
À sombra da árvore
sono gostoso.
 o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o

Árvore bela,
 forte e imponente.
És magnífica!

o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o.o








sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Meus haicais com ilustrações


É primavera,
vistosos amarelos,
Ipês floridos.

=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=

     Lindos flamboyants,
alameda florida,
É primavera!

=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=.=

Sol, areia,
vem a brisa fresca
Infinito mar.

Haicai ilustrado



Chuvinha fina,
Com o sol: arco-íris
Pintando o céu.

'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.
foto de tricoteirassemfronteiras.blogspot.com
Chuva fina,
refresca as flores e
a nossa alma.

'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'

Céu, sol se pondo
Cores lindas, vivas
Ao morrer o dia.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Minha amiga Cilnéia

Fragmentos...

Pedaços de mim, gravejados em você pelo amor tempo.
Um passo, apenas um passo, nos separa ou nos aproxima,
procuro longe, e você está aqui, eu te olho e me procuro,
Pedaços de mim, preciso achá-los e saber quem um dia eu fui,
pra tentar entender no que eu me transformei.
Às vezes amamos demais, nos doamos demais, sofremos demais,
e lentamente percebemos que vivemos uma vida paralela que não a nossa.
Pedaços de mim, vou sair vagando pelo mundo, buscando em todos os cantos,
fragmentos de minha vida, amigos e amores , derrotas e vitórias ou qualquer coisa
que faça eu entender a minha história.
Eu só volto quando eu me encontrar e me completar.
Cilneia Felippe

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Haicai ilustrado

CIDADE SOB O LUAR

Céu noturno
Lua nova e cidade,
lindas a brilhar!


'='='='='='='='='='='='='='='='='='='


ECLIPSE DO SOL
       Beleza no céu,
encobrindo o sol, a lua
faz o eclipse!


-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-'-


LUAR NO MAR

Enorme lua,
                serena sobre o mar                   
deita na água...

='='='='='='='='='='='='='='='='='='='
by Leiko
fotodominus-dominique.blogspot.com

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Comentários que fiz em haicai no blog de minha amiga

Rua de terra,
molhou com chuva a noite
de dia com sol secou...


No meu caminho
Liberdade é alvo
e paraíso.


Desnecessário
buscar respostas noutrem.
Você já as tem!

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Mais haicai

Chuvinha fina,
Com o sol: arco-íris
Pintando o céu.

"""""""""""""""""""""""""""""""
 
Céu, sol se pondo
Cores lindas, vivas
Ao morrer o dia.

""""""""""""""""""""""""""""""""

Chuva fina,
refresca as flores e
a nossa alma.

'''''''''''''''''''''''''''''''''''''''

Brisa no rosto
trazem lembranças ternas,
Sentimentos vem.

 ''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''

Claro como dia,
Escuro como  noite
A vida passa.

''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''
 Calor, sol quente.
À sombra da árvore
sono gostoso.

'''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''' 
 by Leiko

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Cora Coralina por Cora Coralina

Sou mulher como outra qualquer.
Venho do século passado
e trago comigo todas as idades.
Nasci numa rebaixa de serra
Entre serras e morros.
“Longe de todos os lugares”.
Numa cidade de onde levaram
o ouro e deixaram as pedras.
Junto a estas decorreram
a minha infância e adolescência.
Aos meus anseios respondiam
as escarpas agrestes.
E eu fechada dentro
da imensa serrania
que se azulava na distância
longínqua.
Numa ânsia de vida eu abria
O vôo nas asas impossíveis
do sonho.
Venho do século passado.
Pertenço a uma geração
ponte, entre a libertação
dos escravos e o trabalhador livre.
Entre a monarquia caída e a república
que se instalava.
Todo o ranço do passado era presente.
A brutalidade, a incompreensão, a ignorância, o carrancismo.
Os castigos corporais.
Nas casas. Nas escolas.
Nos quartéis e nas roças.
A criança não tinha vez,
Os adultos eram sádicos
aplicavam castigos humilhantes. 
Tive uma velha mestra que já
havia ensinado uma geração
antes da minha.
Os métodos de ensino eram
antiquados e aprendi as letras
em livros superados de que
ninguém mais fala.
Nunca os algarismos me
entraram no entendimento.
De certo pela pobreza que marcaria
Para sempre minha vida.
Precisei pouco dos números.
Sendo eu mais doméstica do
que intelectual,
não escrevo jamais de forma
consciente e racionada, e sim
impelida por um impulso incontrolável.
Sendo assim, tenho a
consciência de ser autêntica.
Nasci para escrever, mas, o meio,
o tempo, as criaturas e fatores
outros, contra-marcaram minha vida.
Sou mais doceira e cozinheira
Do que escritora, sendo a culinária
a mais nobre de todas as Artes:
objetiva, concreta, jamais abstrata
a que está ligada à vida e
à saúde humana.
Nunca recebi estímulos familiares para ser literata.
Sempre houve na família, senão uma
hostilidade, pelo menos uma reserva determinada
a essa minha tendência inata.
Talvez, por tudo isso e muito mais,
sinta dentro de mim, no fundo dos meus
reservatórios secretos, um vago desejo de analfabetismo.
Sobrevivi, me recompondo aos
bocados, à dura compreensão dos
rígidos preconceitos do passado.
Preconceitos de classe.
Preconceitos de cor e de família.
Preconceitos econômicos.
Férreos preconceitos sociais.
A escola da vida me suplementou
as deficiências da escola primária
que outras o destino não me deu. 
Foi assim que cheguei a este livro
Sem referências a mencionar.
Nenhum primeiro prêmio.
Nenhum segundo lugar.
Nem Menção Honrosa.
Nenhuma Láurea.
Apenas a autenticidade da minha
poesia arrancada aos pedaços
do fundo da minha sensibilidade,
e este anseio:
procuro superar todos os dias
Minha própria personalidade
renovada,
despedaçando dentro de mim
tudo que é velho e morto.
Luta, a palavra vibrante
que levanta os fracos
e determina os fortes.
Quem sentirá a Vida
destas páginas...
Gerações que hão de vir
de gerações que vão nascer.
(Meu Livro de Cordel, p.73 -76, 8°ed, 1998)

Frases de Cora Coralina

 Morava em Morrinhos (Go) quando eu a conheci pela Tv em 1975. Ela me cativou desde então. É um exemplo de mulher, mostrou que nunca é tarde para realizar o sonho. Já era idosa quando teve mais tempo para se dedicar aos seus poemas, seus contos... Aos 76 anos lançou o seu primeiro livro!


"Se temos de esperar,
que seja para colher a semente boa
que lançamos hoje no solo da vida.
Se for para semear,
então que seja para produzir
milhões de sorrisos,
de solidariedade e amizade."


"Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina."

"O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. Caminhando e semeando, no fim terás o que colher."

“Fiz a escalada da montanha da vida removendo pedras e plantando flores.”

"Todos estamos matriculados na escola da vida, onde o mestre é o tempo."

"Recria tua vida, sempre, sempre.
Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça."

"Coração é terra que ninguém vê."

"Nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas."

Cora Coralina

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Haicai

Fui num bar com amigos, voltei inspirada, sentei em frente ao computador e tentei escrever  haikai (forma poética de origem japonesa).
Eis alguns:

Tarde, faz calor
boa mesa, bom papo   
amigos e chop.


Sol, areia,
vem a brisa fresca
Infinito mar.


É primavera,
vistosos amarelos,
Ipês floridos.


Quase verão,
vem o vento, a  chuva
E mangas no chão.


 Lindos flamboyants,
alameda florida,
É primavera!